SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.10 número113Aids no estado de São Paulo, BrasilSuperintendência de Controle de Endemias - Sucen: Trajetória e avanços no conhecimento para o controle de vetores índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

BEPA. Boletim Epidemiológico Paulista (Online)

versão On-line ISSN 1806-4272

BEPA, Bol. epidemiol. paul. (Online) vol.10 no.113 São Paulo maio 2013

 

RESUMO

Avaliação in vitro da atividade antifúngica de óleos essenciais sobre Cryptococcus neoformans

Action of essential oils against Cryptococcus neoformans


Patrícia de Souza Santos, Maria de Fátima Costa Pires (Orientadora)

Programa de Pós-Graduação em Ciências da Coordenadoria de Controle de Doenças – Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, Brasil – 2011.

RESUMO

Cryptococcus neoformans é uma levedura patogênica e o agente etiológico da criptococose, uma doença infecciosa cosmopolita que acomete o homem, animais domésticos e silvestres. A infecção ocorre por inalação das leveduras e a doença se manifesta com mais frequência em pessoas e animais com baixa imunidade celular. C. neoformans tem tropismo para o sistema nervoso central. O tratamento efetivo para a criptococose é a anfotericina B associada ou não a 5-flucitosina, apesar da alta toxicidade e nefrotoxicidade. O objetivo deste trabalho foi avaliar a atividade in vitro dos óleos essenciais de Eucalyptus citriodora Hooker, Eucalyptus globulus Labill, Eugenia caryophyllus Sprengel, Melaleuca alternifolia Chell e Thymus vulgaris Linneaus e uma mistura de E. caryophyllus, M. alternifolia e T. vulgaris denominada Blend sobre C. neoformans. Em doses subinibitórias avaliar a produção de cápsula e de exoenzimas proteinase e fosfolipase. Foram utilizadas 21 isolados de origem humana, 29 isolados ambientais e uma cepa padrão de C. neoformans ICB 163 D (NIH 163D). Para a avaliação da atividade antifúngica e obtenção da concentração inibitória mínima (CIM) utilizou-se a técnica de microdiluição em caldo, em meio RPMI 1640, com Tween-20 a 0,02% como emulsificador. E a confirmação da inibição em Agar Sabouraud dextrose, a 37°C por 48 horas com obtenção da concentração fungicida mínima (CFM). Para a avaliação da sensibilidade ao fluconazol, utilizou-se microdiluição em caldo com meio RPMI 1640 e para a avaliação da sensibilidade a anfotericina B foi utilizado o teste comercial Etest®. Para cada óleo essencial foram encontrados os seguintes resultados de CFM50 e CFM90: E. citriodora CFM50 de 21,97 a 2812,5µg/mL e CFM90 de 703,12 a 2812,5µg/mL; E. globulus CFM50 de 175,78 a 703,12µg/mL e CFM90 de 703,12 a 2812,5µg/mL; E. caryophyllus CFM50 de 87,89 a 175,78µg/mL e CFM90 de 703,12µg/mL; M. alternifolia CFM50 de 11.250 a 45.000µg/mL e CFM90 de 45.000µg/mL; T. vulgaris CFM50 de 21,97 a 175,78µg/mL e CFM90 de 351,56 a 703,12µg/mL; Blend CFM50 de 175,78 a 351,56µg/mL e CFM90 de 1406,25 a 2812,5µg/mL. A CFM50 para fluconazol foi de 87,89µg/mL e CFM90 de 175,78 a 22.500µg/mL e para anfotericina B foi CFM50 de 0,25 a 0,125 e CFM90 de 0,38 a 0,5µg/mL. Quanto à produção de proteinase e fosfolipase, todos os isolados eram fortemente positivos e, após exposição aos óleos essenciais, todos se tornaram negativos. Quanto à presença de cápsulas, todos os isolados apresentavam-nas e, após contato com o óleo, ocorreu redução ou ausência delas, bem como as células de leveduras tenderam a se agrupar em número de 2, 4 ou mais células. Pelo exposto e nas condições desse estudo, conclui-se que os óleos essenciais de E. caryophyllus e T. vulgaris, apresentaram atividade fungicida com as menores concentrações inibitórias em relação aos óleos essenciais de E. citriodora, E. globulus, M. alternifoia e o Blend sobre C. neoformans.

PALAVRA-CHAVE: Cryptococcus neoformans. Meningite fúngica. Óleos voláteis. Testes de sensibilidade microbiana. Antimicóticos.