SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.6 issue68Analysis of the antigenic potential of proteins excreted by taquizoits of Toxoplasma gondiiColorectal cancer relevancy author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

BEPA. Boletim Epidemiológico Paulista (Online)

On-line version ISSN 1806-4272

BEPA, Bol. epidemiol. paul. (Online) vol.6 no.68 São Paulo Aug. 2009

 

RESUMO DE TESE

 

Formação de docentes nos serviços de saúde no Estado de São Paulo

 

 

Maria Teresa Surányi de Andrade; Maria do Carmo Sampaio Tavares Timentesky

Secretaria Municipal de Saúde. São Paulo, SP, 2008 [Tese de Doutorado  – Área de concentração: Pesquisas Laboratoriais em Saúde Pública – Programa de Pós-graduação em Ciências. Coordenadoria de Controle de Doenças. Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo]

Correspondência

 

 

O Sistema Único de Saúde é formado por um corpo de trabalhadores com formação diferenciada, mas espera-se deles um perfil comprometido com as diretrizes do SUS, o que exige investir em educação continuada voltada para a aquisição de valores e atitudes, conhecimentos e habilidades. Em várias ações educativas esses trabalhadores participam com o objetivo duplo de aprender e, depois, multiplicar os conteúdos abordados. A literatura mostra que educar exige competências pedagógicas próprias para obter os resultados esperados, principalmente quanto a atitudes. Adotou-se para este estudo a formação de multiplicadores para o Curso Introdutório para Profissionais da Saúde da Família no Estado de São Paulo, em 2006. Investigar as dificuldades sentidas, as competências e necessidades de formação percebidas por esses atores e identificar diferenças e semelhanças com os pressupostos da Política Nacional de Educação Permanente em Saúde permite mapear e delinear como profissionais de saúde tornam-se docentes. Foram entrevistados alunos e coordenadores dos cursos de três regiões do Estado de São Paulo. Buscou-se inserir os entrevistados no contexto de sua trajetória pessoal e inserção atual no serviço. A maior experiência no SUS e, especificamente, em educação se traduziu na familiaridade com os termos utilizados, na sintonia das respostas e aproximou parte dos alunos com o grupo de coordenadores. Esse grupo percebeu uma insuficiência de conteúdos pedagógicos, enquanto o grupo de profissionais com inserção mais recente aproveitou mais os conteúdos teóricos, e não percebeu tanto a abordagem de questões pedagógicas. Perfil pessoal e inserção profissional confundem-se nas competências necessárias, apontando que na saúde, como na educação, multiplicadores não se criam com um curso teórico sobre o assunto a ser ensinado, mas num processo mais longo de formação, em sucessivas aproximações do saber ensinar, até que o profissional de saúde possa também ser um bom professor.

 

 

Correspondência:
Maria Teresa Surányi de Andrade
R. Renato Paes de Barros, 77
São Paulo/SP – Brasil
Tel.: 55 11 3078-2442
mtsandrade@prefeitura.sp.gov.br

 

 

Suporte financeiro: Coordenadoria de Controle de Doenças da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo