SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.6 issue68Genetic characterization of the rabies virus isolated from bovines during the period from 1999-2001 in an epizootic area in the State of São PauloCapacitating docents in health services of the State of São Paulo author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

BEPA. Boletim Epidemiológico Paulista (Online)

On-line version ISSN 1806-4272

BEPA, Bol. epidemiol. paul. (Online) vol.6 no.68 São Paulo Aug. 2009

 

RESUMO DE TESE

 

 

Análise do potencial antigênico de proteínas excretadas por taquizoítos de Toxoplasma gondii

 

 

Thaís Alves da Costa Silva; Vera Lucia Pereira-Chioccol

Laboratório de Parasitologia. Instituto Adolfo Lutz. São Paulo, SP, 2008 [Dissertação de Mestrado – Área de concentração: Pesquisas Laboratoriais em Saúde Pública – Programa de Pós-graduação em Ciências. Coordenadoria de Controle de Doenças. Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo]

Correspondência

 

 

Este estudo avaliou aspectos da resposta imune protetora desencadeada por proteínas excretadas/secretadas (ESAs) de Toxoplasma gondii. A escolha do antígeno baseou-se na forma evolutiva do protozoário, uma vez que taquizoítos são responsáveis pela estimulação da resposta  imunocelular e humoral nos hospedeiros intermediários. As ESAs foram obtidas de sobrenadantes de culturas células VERO infectadas com taquizoítos da cepa RH, após 48 horas de infecção. Grupos de cinco camundongos fêmeas da linhagem A/Sn foram imunizados, por via intraperitonial, com quatro doses quinzenais de 20µg de ESAs e 5µg de hidróxido de alumínio como adjuvante. Os grupos controle receberam nas mesmas datas somente o adjuvante dissolvido em 200µl de PBS. Um pool de soros de animais cronicamente infectados foi utilizado como controle positivo. Coletas de sangue foram realizadas 15 dias após cada imunização e a análise dos anticorpos foi feita por Elisa, RIFI e Imunobloting. A capacidade de interação dos anticorpos anti-ESAs com outros mecanismos da resposta imune foi avaliada por lise mediada por complemento, teste de aglutinação e Antibody-mediated celular toxicity. Após 15 dias da última imunização, ambos os grupos de animais foram desafiados com 103 taquizoítos da cepa RH. A parasitemia, determinada pela PCR, e os índices de sobrevida foram monitorados diariamente. Os resultados demonstraram que os títulos dos anticorpos anti-ESAs foram crescentes a cada imunização. Reconheceram um lisado bruto de taquizoítos e ligaram-se ao redor de toda membrana de taquizoítos, porém, mais especificamente na região apical. Foram capazes de aglutinar taquizoítos, interagir com proteínas do sistema de complemento e com células esplênicas para lisar taquizoítos in vitro. Mesmo desafiando os camundongos com uma dose letal de uma cepa altamente virulenta, os resultados da PCR sugeriram que os animais imunizados apresentaram menor parasitemia quando comparados aos do grupo controle. Consequentemente, o mesmo aconteceu com os índices de sobrevida, em que os imunizados sobreviveram 48 horas a mais do que os animais controle. Esses dados sugerem a capacidade das ESAs em estimular a resposta imune protetora em camundongos isogênicos.

 

 

Correspondência:
Thaís Alves da Costa Silva
Av. Dr. Arnaldo, 351
CEP: 01246-000 – São Paulo/SP – Brasil
Tel: 55 11 3068-1991
tha_isbio@hotmail.com

 

 

Suporte Financeiro: Coordenadoria de Controle de Doenças da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo CCD-SES/SP e Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp)