SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.5 número52Quantificação de Salmonella spp. e avaliação dos dizeres de rotulagem de carcaças de frango congeladas comercializadas no Estado de São Paulo índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Artigo

Indicadores

  • Não possue artigos citadosCitado por SciELO

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Bookmark


BEPA. Boletim Epidemiológico Paulista (Online)

versão On-line ISSN 1806-4272

BEPA, Bol. epidemiol. paul. (Online) vol.5 no.52 São Paulo abr. 2008

 

ATUALIZAÇÃO

 

Classificação epidemiológica dos municípios para a leishmaniose visceral americana. Estado de São Paulo, abril de 2008

 

American visceral leishmaniasis epidemiologic classification according to cities in the State of São Paulo, April, 2008

 

 

Grupo de Estudos em Leishmanioses
Coordenadoria de Controle de Doenças (CCD)
Superintendência de Controle de Endemias (Sucen)
Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo (SES-SP)

Correspondência

 

 

Este informe técnico atualiza a classificação dos municípios do Estado de São Paulo segundo a situação epidemiológica para a leishmaniose visceral americana (LVA), até o mês de abril de 2008.

Dos 645 municípios paulistas, 51,9% (335) estão classificados como silenciosos não receptivos vulneráveis; 33,0% (213), silenciosos não receptivos não vulneráveis; e 10,7% (69) foram registrados com transmissão da LVA canina - destes, em 49 (7,6%) a doença também atinge seres humanos e em dois (Jaú em 2004, e Parapuã, 2008) foi registrado um caso humano respectivamente, sem a detecção da enzootia canina. Em Parapuã, o vetor - Lutzomyia longipalpis - já foi detectado em 2007, enquanto no município de Jaú o vetor ainda não foi encontrado. Na figura a seguir pode ser observada a distribuição desses municípios.

Com relação ao informe anterior, dos nove municípios em investigação quatro não confirmaram a transmissão. Os outros cinco, situados na região Metropolitana de São Paulo (Ferraz de Vasconcelos, Itaquaquecetuba, Mogi das Cruzes e Suzano) mantêm-se em investigação, assim como a capital paulista, em decorrência da notificação de um caso humano. Registra-se também a investigação de uma suspeita de transmissão humana em Tupã, na macrorregião de Marília. Ressalta-se que neste município já foi detectado o vetor Lutzomyia longipalpis e confirmada a transmissão da LVA em cães.

 


Clique para ampliar

 

 

 

 

Correspondência:
Vera Camargo-Neves
Av. Dr. Arnaldo, 351 1º andar, sala 130
CEP: 01246-000 - Cerqueira César
São Paulo/SP - Brasil
Tel.: 55 11 3066-8906 e 3066-8905
E-mail: veracamargo@saude.sp.gov.br

 

 

Anexa listagem dos municípios segundo a classificação epidemiológica para a LVA, por Serviço Regional (SR) da Sucen e Departamento Regional de Saúde (DRS).