SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.4 número48A Leishmaniose Visceral Americana no Estado de São Paulo: situação atual índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Artigo

Indicadores

  • Não possue artigos citadosCitado por SciELO

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Bookmark


BEPA. Boletim Epidemiológico Paulista (Online)

versão On-line ISSN 1806-4272

BEPA, Bol. epidemiol. paul. (Online) vol.4 no.48 São Paulo dez. 2007

 

INFORME EPIDEMIOLÓGICO

 

Rubéola: situação epidemiológica e medidas de controle

 

Rubella: epidemiological situation and control measures

 

 

Divisão de Imunização; Divisão de Doenças de Transmissão Respiratória do Centro de Vigilância Epidemiológica "Prof. Alexandre Vranjac, da Coordenadoria de Controle de Doenças (DI/DDTR/CVE/CCD/SES-SP

Correspondência

 

 


RESUMO

A rubéola foi identificada na Alemanha e era considerada uma doença benigna, quando em 1941, o oftalmologista Norman MacAlister Gregg, na Austrália, ao examinar vários recém-nascidos (RN) com catarata congênita, filhos de mães com história de rubéola no início da gestação, associou a infecção materna pela rubéola e a ocorrência de catarata. A rubéola pósnatal, ou adquirida, é uma doença exantemática benigna, autolimitada, caracterizada por febre baixa e linfadenopatia geralmente retroauricular, cervical e occipital. Quando acomete gestantes suscetíveis, principalmente no primeiro trimestre, acarreta em malformações congênitas como deficiência auditiva, cardiopatias congênitas, catarata e atraso do desenvolvimento neuropsicomotor. Depois da eliminação da varíola, da certificação da eliminação da poliomielite, e da eliminação da circulação autóctone do vírus do sarampo, os países das Américas estabeleceram a meta de eliminação da rubéola e da Sindrome da Rubéola Congênita (SRC) até o ano de 2010.

Palavras-chaves: rubéola, síndrome da rubéola congênita, vigilância epidemiológica, vacina contra rubéola.


ABSTRACT

Rubella was first identified in Germany and was considered a benign disease when, in 1941, Normal MacAlister Gregg, an Australian ophthalmologist, examining many newborns with congenital cataract, born to mothers with a history of rubella in the beginning of the pregnancy, associated maternal infection to cataract occurrence. Post natal or acquired rubella is an exanthema benign disease self contained, characterized by low grade fever and lynphadenopathy in general retro auricular, cervical and occipital. When the disease occurs in susceptible pregnant women, especially in the first trimester, causes congenital malformations, such as audition deficiencies, congenital cardiopathies cataracts and delay of neuropsicho and motor development. After the elimination of smallpox, the certificate of polio elimination and also the elimination of the circulation o f the autochthonous measles virus, American countries established the goal to eliminate rubella and SRC until 2010.

Key words: rubella, congenial rubella syndrome, epidemiological surveillance, rubella vaccine.


 

 

Introdução

A rubéola já era conhecida na antiguidade pelos médicos árabes como uma variedade do sarampo. Bergen em 1752 e Orlow em 1758, médicos alemães, foram os primeiros que descreveram a doença, denominada inicialmente como sarampo alemão. Em 1814, Manton foi o primeiro a reconhecer que a rubéola era uma doença benigna, distinta do sarampo e da escarlatina1.

Essa percepção de benignidade persistiu até 1941, quando Norman MacAlister Gregg, um oftalmologista australiano, constatou a sua teratogenicidade. Nesse período, ocorreu na Austrália uma epidemia de rubéola e inúmeras crianças nasceram com catarata congênita. Gregg estudou detalhadamente 78 RN portadores de defeitos congênitos: a maioria das mães destes RN havia tido contato com pessoas com rubéola durante o primeiro ou segundo mês da gravidez. Notou também a presença de outras alterações congênitas como lesões cardíacas e baixo peso2.

Inicialmente a sua descoberta foi recebida pela comunidade científica com muitas ressalvas, mas, posteriormente outros relatos de epidemiologistas e geneticistas, confirmaram reafirmando a associação entre o vírus da rubéola e a ocorrência de catarata congênita, além de outros defeitos maiores como malformações cardíacas congênitas e deficiência auditiva3.

A descoberta de Gregg causou profundo impacto, pois, pela primeira vez, a origem das malformações não era atribuída somente a alterações genéticas, mas à ação de um agente infeccioso sobre o feto.

Uma pandemia da rubéola teve início na Europa entre 1962 e 1963 e, nos Estados Unidos da América (EUA), entre 1964 e 1965. Nos EUA ocorreram cerca de 12,5 milhões de casos e 11.000 óbitos fetais. Cerca de 20.000 RN nasceram com malformações compatíveis com a Síndrome da Rubéola Congênita (SRC) e 2.100 vieram a falecer no período neonatal. Estima-se que o custo desta epidemia foi cerca de 2 bilhões de dólares4 .

A ocorrência de milhões de casos de rubéola e o nascimento de crianças com malformações estimulou estudos para a descoberta de uma vacina e, entre 1965 e 1967 várias cepas vacinais já estavam sendo testadas3.

Nos Estados Unidos, após a introdução da vacina em 1969, observou-se uma grande redução no número de casos de rubéola e da SRC. Até 1990 os casos de rubéola ocorriam principalmente entre as crianças e adolescentes menores de 15 anos de idade. A partir de 1990, a doença tem acometido principalmente adultos não vacinados, oriundos de países onde esta vacinação não é realizada5.

 

Arubéola e a Síndrome da Rubéola Congênita

O vírus da rubéola pertence a família Togaviridae e do gênero Rubivirus. A rubéola é transmitida por contato direto com indivíduos infectados por meio das gotículas de secreções da nasofaringe. O indivíduo infectado pode transmitir a doença cerca de 5 dias antes até 5 a 7 dias após o aparecimento do exantema. O período de incubação é de 12 a 23 dias (média de 17 dias)6.

Na rubéola congênita o vírus é transmitido, por via placentária, da mãe para o feto. As crianças com rubéola congênita, podem eliminar o vírus pela urina e secreções nasofaríngeas por um período superior a um ano, mas a eliminação é maior nos primeiros meses de vida.

Após viremia materna ocorre a infecção da placenta e viremia fetal com conseqüente infecção de múltiplos órgãos. As malformações geralmente ocorrem quando a infecção acomete a gestante nas primeiras 8 a 12 semanas de gestação. O vírus da rubéola inibe a mitose e aumenta o número de fragmentos de cromossomos em culturas de tecido embrionário, e por isso os órgão acometidos ficam hipoplásicos. Observa-se também a presença de necrose celular, processo inflamatório e vasculite.

Uma vez o feto infectado, o vírus persiste por toda a gestação e até cerca de um ano após o nascimento. O vírus da rubéola pode acarretar danos enormes em múltiplos órgãos ainda em desenvolvimento como o sistema nervoso central, coração, sistema auditivo, ocular, etc. A extensão do acometimento dependerá da época da infecção: quanto mais precoce, maiores serão os danos observados7.

A infecção materna pode causar: abortamento precoce ou tardio, embriopatia, restrição do crescimento fetal, parto prematuro, óbito intra-uterino, malformações congênitas, óbito neonatal e aparecimento tardio de outros defeitos1.

Em um estudo prospectivo de gestantes infectadas pelo vírus da rubéola, observou que quando a doença ocorreu no primeiro trimestre de gravidez 81% (13/16) dos fetos estavam infectados. No segundo trimestre houve uma redução para 39% (70/178), elevando-se novamente para 53% (34/64) no terceiro trimestre. No final da gestação a placenta permite a passagem do vírus da Rubéola8.

Se a infecção ocorrer no primeiro trimestre de gestação, o risco de síndrome da rubéola congênita (SRC) é cerca de 85%, porém, se o período se estender até 20 semanas, o risco cai para 20%. Quando a infecção ocorre após a 20ª. semana de gestação não há relatos de nenhuma manifestação compatível com a SRC, na literatura. A deficiência auditiva foi a única alteração observada quando a infecção ocorreu entre a 11ª. a 16ª. semana de gestação. Nenhum defeito foi identificado nas crianças infectadas após 16 semanas de gestação, exceto algumas com retardo de crescimento intra-uterino9.

Na rubéola pós-natal, a pessoa infectada poderá apresentar um exantema máculopapular discreto, em comparação com o sarampo e a escarlatina, com duração de três dias e distribuição crâniocaudal. À medida que atinge os membros inferiores, já vai "clareando" na face e ainda permanece coalescente apenas no tronco. Nas crianças geralmente não há pródromos, mas em adolescentes e adultos, cerca de um a cinco dias antes do início do exantema, observa-se febre baixa, tosse, coriza, cefaléia, mal estar e linfadenopatia. Alinfadenopatia é generalizada, dolorosa à palpação sendo mais acometidas as cadeias retro-auricular, suboccipital e cervical, com regressão em semanas. Pode haver esplenomegalia e, mais raramente, cardite, encefalite, artrite e trombocitopenia7.

Na rubéola congênita o vírus da rubéola infectando uma mulher grávida não imune poderá atuar na placenta e/ou feto e o risco de infecção congênita e da SRC dependerá da idade gestacional em que ocorreu a infecção. O risco de infecção e da SRC decresce com o aumento da idade gestacional. Após a infecção materna, poderão ocorrer as seguintes situações: feto não infectado, reabsorção do feto, que poderá acontecer quando a infecção pelo vírus da rubéola acomete o embrião muito no início da gestação, aborto espontâneo, natimortalidade, infecção da placenta sem envolvimento do feto, infecção da placenta e do feto1.

A SRC envolve várias malformações na dependência da fase da gestação em ocorreu a viremia.

 

Manifestação clínicas da SRC1,7,10

Os RN com SRC poderão apresentar manifestações clínicas logo ao nascer. Ataxa de mortalidade no primeiro ano de vida é elevada, devido à miocardite e a outras alterações cardíacas, pneumonia intersticial, trombocitopenia, encefalite e hepatite.

 

Manifestações transitórias

Alguns RN infectados poderão apresentar, logo ao nascer, hepatoesplenomegalia, icterícia, anemia hemolítica, exantema máculopapular, trombocitopenia, pneumonia intersticial, miocardite, diarréia, radioluscência óssea e baixo peso. Quando há manifestações clínicas, com comprometimento de vários sistemas, geralmente há malformações graves.

 

Manifestações permanentes

Uma recente revisão da literatura relacionou as principais manifestações clínicas da SRC: deficiência auditiva, cardiopatia congênita (persistência do ducto arterial, hipoplasia da artéria pulmonar), microcefalia, catarata, baixo peso ao nascer (<2500g), hepatoesplenomegalia, púrpura, atraso no desenvolvimento, meningoencefalite, radioluscência óssea e retinopatia. A deficiência auditiva (60%) foi o comprometimento mais freqüente entre os recém-nascidos (RN) com SRC, seguido das cardiopatias congênitas (45%) (Tabela 1).

 

Deficiência auditiva

É a manifestação mais comum nos RN com SRC (60%). Causada por alterações degenerativas da cóclea e no órgão de Corti (neurosensorial), pode ser de graus variados e geralmente é bilateral. Diferentemente das alterações oculares e cardíacas, que geralmente se manifestam se a infecção pelo vírus da rubéola ocorre até a 8ª. semana de gestação, o órgão de Corti pode ser acometido até 18ª. ou 20ª. semanas. Dentre as manifestações congênitas, é a que mais frequentemente ocorrre como defeito único. Pessoas com deficiência auditiva e comprometimento da fala, podem ser confundidas com pacientes com retardo mental. A deficiência auditiva (60%) foi o comprometimento mais freqüente entre os RN com SRC.

A Sociedade Brasileira de Pediatria recomenda a triagem auditiva universal para os RN. Quanto mais precoce o diagnóstico e a intervenção, melhor será o desenvolvimento da fala e da linguagem. Inicialmente a audição é avaliada pela emissão de ondas otoacústicas; caso o resultado seja anormal é realizada a avaliação auditiva evocada do tronco cerebral (BERA).

 

Manifestações cardíacas

As anormalidades cardíacas, em particular as cardiopatias congênitas, são achados clássicos da SRC. A maioria dos acometidos têm defeitos de "fluxo", especialmente persistência do ducto arterial, estenose da artéria pulmonar ou estenose da válvula pulmonar. Nos RN com comprometimento multisistêmico, a miorcadite frequentemente é a causa de óbito. Considerando-se a sua elevada freqüência, recomenda-se a realização de um detalhado exame cardiológico para todos os casos suspeitos de SRC, incluindo o exame ecocardiográfico. Como defeitos isolados da SRC as manifestações cardíacas ocupam o segundo lugar em frequência (45%).

 

Manifestações oculares

As principais alterações são: catarata, microftalmia/microcórnea, retinopatia pigmentar e glaucoma. A maioria das cataratas é bilateral e estão presentes ao nascimento. Podem ser muito discretas, requerendo exame oftalmológico acurado. O tratamento cirúrgico tem resultados insatisfatórios, devido ao processo inflamatório intenso. A retinopatia é a manifestação ocular mais comum, afetando a acuidade visual, e geralmente é bilateral.

 

Crescimento intra-uterino retardado

Os RN com manifestações clínicas da SRC, nascem com peso < 2.500g e, geralmente, não são prematuros. Após o nascimento muitos continuam com dificuldade de ganhar peso.

 

Manifestações neurológicas

Pode haver microcefalia e meningoencefalite ao nascimento e, mais tardiamente, atraso no desenvolvimento neuropsicomotor e retardo mental.

 

Manifestações tardias

Várias são as hipóteses que podem explicar a ocorrência de manifestações tardias em decorrência da infecção pelo vírus da rubéola: persistência ou reativação da infecção viral, presença de imunocomplexos e auto-anticorpos. Há relatos de endocrinopatias, deficiência auditiva, manifestações oculares, panencefalite progressiva, diabetes mellitus insulinodependente e comprometimento da tireóide.

 

Situação epidemiológica

Desde 2003, o Brasil é signatário junto aos demais países membros da Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) do pacto para a Eliminação da Rubéola Congênita nas Américas até o ano 2010.

Desde 2000, ações de vigilância e imunização resultaram em importante diminuição no número de casos e incidência da rubéola no Brasil. Da mesma maneira, esta tendência decrescente no número de casos da rubéola foi observado no Estado de São Paulo, até 2005, quando menos de 100 casos da doença foram confirmados, com um coeficiente de incidência de 0,08 casos/100.000 habitantes.

No entanto, a partir de julho de 2006 surtos de rubéola iniciaram-se no Rio de Janeiro e Minas Gerais resultando em crescente número de casos em várias unidades federadas. Em Novembro de 2006, surto da doença foi detectado no estado de São Paulo com 14 casos de rubéola confirmados em empresa de construção naval em Osasco, região da Grande São Paulo. A figura abaixo ilustra casos suspeitos e confirmados de rubéola no período 2006-2007 (até semana 48/2007 - 1/12/2007).

 

 

Em 2007, até a semana epidemiológica 48/2007, 19 (70%) estados brasileiros confirmaram um total de 6.534 casos de rubéola, com 4.335 (70%) deles ocorridos no sexo masculino, com maior concentração na faixa etária de 20 a 29 anos.

Até o momento foram aplicadas em todo Brasil 6.544.911 doses da vacina contra a rubéola (tríplice viral e dupla viral) para indivíduos maiores de 12 anos de idade, de acordo com a Coordenação Nacional do Programa de Imunizações (SVS/MS, 10/12/2007).

No mesmo período (até semana 48 de 2007) o Estado de São Paulo também apresenta crescente número de casos confirmados de rubéola: 1.212 casos atingindo 84 municípios, a maioria deles na Grande São Paulo (86% -1047 casos).

Evidencia-se na figura 4 a distribuição do número de casos de rubéola em gestantes e casos de Síndrome da Rubéola Congênita (confirmado e compatível), no estado de São Paulo no período de 1992 a 2006.

 

Figura 2

 

 

Figura 3

 

 

 

Surtos da doença vêm sendo identificados desde julho de 2007 na Grande São Paulo e em municípios do interior do estado, atingindo grandes e pequenas empresas, estabelecimentos comerciais, universidades, favelas, instituições penitenciárias, e determinados grupos de risco (cortadores de cana, na região nordeste do estado), assim como frequentemente vem sendo investigados comunicantes de casos confirmados não residentes no estado que compartilharam transportes terrestres e aéreos (intermunicipais e interestaduais).

Do mesmo modo que em outros estados, os casos em São Paulo ocorrem em maior número no sexo masculino (843 casos - 69,56%), nas faixas etárias de 20 -29 anos (365 - 43%) e 30 - 39 anos (205 - 24%).

 

Vigilância Epidemiológica e Medidas de Controle11

A rubéola é uma doença de notificação compulsória em nível nacional e estadual. De acordo com o Centro de Vigilância Epidemiológica "Prof. Alexandre Vranjac" da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo.

 

Os casos de rubéola pós-natal, definem-se como (CVE, 1998)

a) caso suspeito: O profissional de saúde deve suspeitar do diagnóstico de rubéola diante de todo paciente que apresente febre, exantema maculopapular, acompanhado de linfadenopatia retroauricular, occipital e cervical, independente da idade e situação vacinal.

b) caso confirmado: o caso suspeito poderá ser confirmado por um dos critérios abaixo:

-laboratorial: com sorologia positiva para rubéola.

-vínculo epidemiológico: quando o caso suspeito tiver tido contato, num período máximo de 23 dias, com um ou mais casos de rubéola confirmados pelo laboratório.

 

Nos casos de SRC

a) caso suspeito:

-todo RN cuja mãe foi caso suspeito ou confirmado de rubéola, ou contato de caso confirmado de rubéola, durante a gestação, ou,

-toda criança até 12 meses de idade, que apresente sinais clínicos compatíveis com a infecção congênita pelo vírus da rubéola, independente da história materna.

b) caso confirmado: o caso suspeito é confirmado quando há presença de malformações congênitas e, pelo menos uma das seguintes condições:

-presença de anticorpos IgM específicos;

-títulos de IgG (ELISA), mantidos persistentemente elevados ou acima do esperado pela transferência passiva de anticorpos maternos;

-isolamento viral.

c) caso compatível: quando os resultados laboratoriais são insuficientes para confirmação do diagnóstico e o RN apresentar pelo menos uma manifestação clínica relacionada no item 1 associada a outra do item 2 ou à história de infecção materna comprovada por laboratório ou vínculo epidemiológico durante a gestação:

1) catarata/glaucoma (interpretar como uma só manifestação), cardiopatia congênita, surdez, retinopatia pigmentar;

2) púrpura, esplenomegalia, icterícia, microcefalia, retardo mental, meningoencefalite, radioluscências ósseas.

Na ocorrência de casos suspeitos, deve-se desencadear uma investigação clínica, epidemiológica e laboratorial. Todos os casos suspeitos, deverão realizar exame sorológico para rubéola e como medida de controle, os comunicantes domiciliares, da escola, da creche, local de trabalho, etc, que não estiverem com o esquema vacinal completo deverão ser vacinados. O bloqueio vacinal visa interromper a cadeia de transmissão.

Ações de vacinação de bloqueio para rubéola:

 

Crianças entre 12 meses a 6anos, 11 mesese 29 dias

• sem nenhuma dose de TV: vacinar no bloqueio e agendar a segunda dose entre 4 e 6 anos de idade

• uma dose de TV: vacinar no bloqueio, desde que a última dose tenha sido aplicada há mais de 30 dias

• duas doses de TV: não há necessidade de vacinar.

-maiores de 7 anos de idade e adultos nascidos a partir de 1960:

• todos os contatos sem comprovação de pelo menos duas doses de dupla viral e/ou tríplice viral, deverão ser vacinados. Considerando que esta vacinação é específica para o bloqueio, as pessoas que estiverem recebendo a primeira dose, não necessitarão de agendamento para a segunda dose. Para as pessoas até 19 anos de idade utilizar a vacina tríplice viral e para as maiores a vacina dupla viral.

 

Nas atividades de rotina estabeleceu-se

- intensificação das ações de vacinação de rotina (1ª e 2ª dose) nos municípios onde a cobertura vacinal até julho de 2007 foi menor que 95%, incluindo buscade faltosos, creches e pré-escolas.

- vacinar as pessoas nascidas a partir de 1960, homens e mulheres, que comparecerem nas unidades de saúde, que ainda não foram vacinados, com a vacina tríplice viral.

- vacinar as mulheres nascidas a partir de 1960, no pós-parto e pós-abortamento.

-intensificação da vacinação dos profissionais de saúde, trabalhadores do setor de construção civil, do setor de turismo.

 

Vacina contra a rubéola

Depois da eliminação da varíola, da certificação da eliminação da poliomielite, e da eliminação da circulação autóctone do vírus do sarampo, os países das Américas estabeleceram durante a 44ª reunião do Conselho Diretor da OPAS, a meta de Eliminação da rubéola e da SRC até o ano de 2010.

No Brasil a vacinação rotineira contra a rubéola nos programas públicos iniciou-se em 1992 no Estado de São Paulo e, gradativamente, foi implantada nos outros estados. No ano de 2000 as 27 unidades da federação, já aplicavam a vacina tríplice viral (contra o sarampo, caxumba e rubéola), no calendário básico, aos 15 meses deidade.

No Estado de São Paulo, o Programa de Controle da Rubéola e da SRC foi implantado em 1992, com a realização de uma campanha estadual de vacinação e a aplicação da vacina tríplice viral em toda a população de um a dez anos de idade. O objetivo desta campanha foi diminuir a força de infecção, com queda da circulação viral e conseqüente proteção às mulheres em idade fértil, a cobertura vacinal atingida foi de 95,7%.

Em 1992 foi incluída a vacina tríplice viral aos 15 meses de idade no calendário oficial do Estado de São Paulo, para ser aplicada simultaneamente com o 1º reforço da vacina DPT (contra difteria, coqueluche e tétano) e Sabin e em 2004 foi incluída uma segunda dose, entre 4 e 6 anos de idade12. A ações de vacinação para as crianças menores de 5 anos de idade foram complementadas com as campanhas de seguimento realizadas a cada 4 anos, durante uma das etapas das Campanhas Nacionais de Vacinação contra a Poliomielite com o objetivo de oferecer novas oportunidades de vacinação às coortes de nascimentos.

A vacina contra rubéola tem uma eficácia de cerca de 95%, mas para manutenção do controle da doença as coberturas vacinais deveriam manter-se elevadas e homogêneas. No entanto, cerca de 30 a 40% dos municípios do Estado, não atingiram a meta proposta, que era vacinar 95% das crianças com um ano de idade com a vacina tríplice viral. Esse fato, aliado à falha vacinal de 5%, contribuíram para o acúmulo de suscetíveis.

No ano de 2000 ocorreu uma epidemia no Estado de São Paulo e, à semelhança do que se verificou com a epidemia do sarampo, em 1997, observou-se um deslocamento da faixa etária de incidência da doença para a população de adultos jovens. A maior proporção dos 2.556 casos confirmados ocorreu em pessoas de 20 a 29 anos de idade (58,6%), o risco de adoecimento foi também maior nesta faixa etária (23,7 casos/100 000 hab). Nesse mesmo ano foram notificados 133 casos de rubéola em gestantes, sendo 17% e 72% nas faixas etária entre 15 -19 anos e 20-29 anos, respectivamente.

No Estado de São Paulo foi realizada em novembro de 2001 uma Campanha de Vacinação utilizandose a vacina dupla viral (contra sarampo e rubéola), para todas as mulheres na faixa etária dos 15 aos 29 anos de idade (CVE, 2001). Durante a Campanha Estadual foram vacinadas 4.408.844 mulheres entre 15 a 29 anos de idade, atingindo-se uma cobertura vacinal geral de 91,16%, sendo de 100,4% para a faixa etária entre 15 a 19 anos, 89,0% entre 20 a 24 anos e de 82,8% entre 25 a 29 anos de idade.

Após a realização da campanha, verificou-se uma queda no número de casos confirmados de rubéola; em 2002 foram notificados 277 casos (0,73 casos/100.000 hab).

Durante os anos 2001 e 2002, foram implementadas campanhas de vacinação com a vacina dupla viral para as mulheres de idade fértil em todo o país. Foram vacinadas cerca de 29 milhões de mulheres atingindo-se uma cobertura vacinal de 94,6%13. No entanto, ainda ficaram coortes de homens suscetíveis e das mulheres da faixa etária fértil que não foram vacinadas. Ante esta situação não se conseguiu interromper a circulação do vírus da rubéola e embora a incidência tenha reduzido, confirmando casos de rubéola e SRCcontinuam sendoconfirmados.

As ações de vigilância epidemiológica para rubéola, as elevadas coberturas vacinais para crianças de um ano de idade no período de 2002 a 2007 (dados até outubro de 2007), nas atividades de rotina (com variação entre 97% a 100%), a vacinação dos grupos de risco, a Campanha de vacinação de mulheres em 2001, a Campanha de seguimento realizada em 2004 e as vacinações de bloqueio foram fundamentais para o controle da rubéola e da SRC, no entanto, ainda ficaram coortes de homens suscetíveis e mulheres em idadefértil que ainda não foram vacinadas.

As campanhas de vacinação com SR em adultos realizadas em vários países das Américas, durante o período 1999-2005 conseguiram um impacto positivo14. No entanto, aqueles que, como o Chile e o Brasil que realizaram campanhas dirigidas apenas às mulheres, não têm conseguido interromper a circulação do vírus. No Brasil, continuam-se ocorrendo casos de rubéola e SRC. O Chile enfrentou um surto institucional de rubéola durante o ano 2005 e outro comunitário durante 2007.

Com base na análise da situação epidemiológica foi estabelecida a necessidade de realizar uma Campanha Nacional de Vacinação para homens e mulheres programada para agosto-setembro de 2008. A população alvo da campanha será de 67.697.980 pessoas, composta por 61.875.626 homens e mulheres de 20 a 39 anos de todo o país a quem se aplicará vacina Dupla Viral (Sarampo e Rubéola, SR) e 5.822.345 pessoas de 12 a 19 anos de Minas Gerais, Mato Grosso do Sul e Rio de Janeiro que receberão vacina Tríplice Viral. A aplicação da vacina será indiscriminada a toda a população-alvo, independentemente do antecedente de vacinação ou doença15 .

O incremento na densidade e movimentos populacionais que ocorreu progressivamente nos países, unido à probabilidade de importação de vírus do sarampo e rubéola que resulta das viagens internacionais, tem demonstrado que se requerem elevados níveis de imunidade na população para interromper sua transmissão. Estudos recentes indicam que para prevenir a transmissão do sarampo e rubéola, é necessário alcançar coberturas homogêneas de vacinação >95% na população para conseguir o nível de imunidade requerido.

 

Referências bibliográficas

1. Cooper LZ, Preblud SR, Alford CA. Rubella. In: Remington JS, Klein JO, eds. Infectious disease of the fetus, newborn, infant. Fourth ed. Philadelphia, PA: WA Saunders Co, 2000.         [ Links ]

2. Gregg NM. Congenital cataract following German measles in the mother. Trans Ophthalmol Soc Aust 1941; 3: 35-46.         [ Links ]

3. Plotkin S. Rubella vaccine. In: Plotkin AS, Orestein WA, eds. Vaccines. Third ed. Philadelphia, PA: WA Saunders Co, 2004, p409-39.         [ Links ]

4. Orenstein WA, Bart KJ, Hinman AR et al. The opportunity and obligation to eliminate measles from the United States. JAMA 1984; 251: 1988.         [ Links ]

5. Plotkin SA. Rubella eradication. Vaccine 2001; 3311-9.         [ Links ]

6. American Academy of Pediatrics. Report of the Committee on Infectious Disease. Red Book, 26th ed. Elk Grove Village, 2003.         [ Links ]

7. Cherry JD. Rubella vírus. In Feigin RD, Cherry JD, eds. Textbook of Pediatric Infectious Disease. 4th ed. Philadelphia, PA: WA Saunders Co, 1998.         [ Links ]

8. Miller E, Cradock-Watson JE, Pollock TM. Consequences of confirmed maternal rubella at sucessives stages of pregnancy. Lancet 1982; 2: 781-94.         [ Links ]

9. Enders G. Rubella antibody titers in vaccinated and nonvaccinated women and results of vaccination during pregnancy. Rev Infect Dis 1985; 7(Supl 1): S103-7.         [ Links ]

10. Reef SE, Plotkin S, Cordero JF, KatzM, Cooper L, Schwartz B, Zimmerman-Swain L, Danovaro-Holliday MC, Wharton M. Preparing for elimination of congenital rubella syndrome (CRS): summary of a workshop on CRS elimination in the United States. Clin Infect Dis 2000; 31(1): 85-95.         [ Links ]

11. Brasil. Ministério da Saúde. Guia de Vigilância Epidemiológica, 6ª. ed. Brasília, 2006.         [ Links ]

12. CVE. Norma do Programa de Imunização. Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, 2ª. ed. Revisada em novembro de 2000.         [ Links ]

13. PAHO. Brazil accelerates control of rubella and prevention of congenital rubella syndrome program. EPI Newsl 2002; 24: 1-3.         [ Links ]

14. Castillo-Solórzano C, Carrasco P, Tambini G, Reef S, Brana M, Quadros CA. New horizons in the controlo f rubella and prevention of congenital rubella syndrome in the Américas. JID 2003; 187(Suppl1): 146-152.         [ Links ]

15. Brasil. Manual da Campanha Nacional de Vacinação para Eliminação da Rubéola no Brasil, 2008 (proposta preliminar).         [ Links ]

16. Hutchins SS, Baugham AL, Orr M, Haley S. Vaccination levels associated with lack measles transmission among preschool-aged population in the United States 1989-91. J Infected Dis 2004; 189(Suppl1):S108-15.         [ Links ]

 

 

Correspondência:
Divisão de Imunização
Av. Dr. Arnaldo, 351 - 6 andar, Cerqueira Cesar
CEP: 01246-000 - São Paulo/Brasil
Tel. (55)11 3066-8779
e-mail: dvimuni@saude.sp.gov.br