SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.14 número2Abatacept for patients with rheumatoid arthritis refractory to treatment with drugs modifying the disease courseTeriparatide for the treatment of osteoporosis in postmenopausal women assisted by the Brazilian Public Health System índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Servicios Personalizados

Articulo

Indicadores

  • No hay articulos citadosCitado por SciELO

Links relacionados

  • No hay articulos similaresSimilares en SciELO

Bookmark


BIS. Boletim do Instituto de Saúde (Impresso)

versión impresa ISSN 1518-1812

BIS, Bol. Inst. Saúde (Impr.) vol.14 no.2 São Paulo mayo 2013

 

Insulinas de ação prolongada no tratamento de diabete mellitus tipo 2

 

Long-acting insulins to treat diabetes mellitus type 2

 

 

Sonia Isoyama VenancioI; Maria Eulália Lessa do Valle DalloraII; Mirtes Loeschner LeichsenringIII; Andreia de Fátima NascimentoIV

I Sonia Isoyama Venancio (soniav@isaude.sp.gov.br) é Médica, pesquisadora e Diretor Técnico de Saúde II, Centro de Tecnologias de Saúde para o SUS-SP do Instituto de Saúde da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo.
II Maria Eulália Lessa do Valle Dallora (meulalia@hcrp.usp.br) é Estatístico, Doutora em Ciências Médicas e Dirigente da Assessoria Técnica do Hospital de Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto/USP.

III Mirtes Loeschner Leichsenring (mirtes@hc.unicamp.br) é Enfermeira do controle de infecção hospitalar do Hospital de Clinicas da UNICAMP e Gerente de Risco do Hospital Sentinela.
IV Andreia de Fátima Nascimento (andreiafn@yahoo.com.br) é Médica e professora do Departamento de Medicina Social da Faculdade de Ciências
Médicas da Santa Casa de São Paulo.


RESUMO

Este informe foi desenvolvido no âmbito do Curso Avançado de Avaliação de Tecnologias em Saúde, oferecido pelo Decit/Ministério da Saúde em parceria com Instituto de Efectividad Clínica y Sanitaria (IECS) e finalizado em fevereiro de 2012. Objeto: Avaliar as evidências sobre a eficácia das insulinas de ação longa (glargina e detemir) no tratamento de pacientes com diabete mellitus tipo 2 comparada ao tratamento convencional (insulina NPH). Métodos: Realizou-se busca nas bases de dados MEDLINE, Pubmed, EMBASE, Cochrane Library, Trip Database e LILACS, e de forma global, em diversas fontes para localizar Avaliações Tecnológicas, Políticas de Cobertura e Avaliações Econômicas. Deu-se prioridade a estudos de revisão sistemática (RS) de 2000 a 2011 e ensaios clínicos randomizados divulgados em português, inglês e espanhol, de 2008 a 2011, no intuito de aperfeiçoar a última RS identificada, publicada em 2010. Resultados: As insulinas de longa duração não se mostraram superiores à insulina NPH em relação ao controle glicêmico, medido pela hemoglobina glicosilada; mostraram-se mais eficazes em relação à insulina NPH na redução de episódios de hipoglicemia noturna e hipoglicemia em geral, em pacientes que recebem tanto insulina glargina quanto detemir, mas não se observou redução de episódios de hipoglicemia grave; as alterações no ganho de peso não foram analisadas em muitos estudos, mas houve tendência a menor ganho de peso com as insulinas de longa duração.

Palavras-chave: Diabete Mellitus; Insulinas Análogas; Revisão Sistemática


ABSTRACT 

This report was developed during the Advanced Course on Health Technology Assessment offered by Decit /MS with the Instituto de Efectividad Clínica y Sanitaria (IECS) and was finalized in February 2012. Objective: To evaluate the scientific evidence on the effectiveness of long-acting insulin (glargine and detemir) in the treatment of patients with diabetes mellitus type 2 compared to conventional treatment (NPH). Methods: We conducted a search in MEDLINE, PubMed, EMBASE, Cochrane Library, LILACS and Trip Database for Technology Reviews, Coverage Policies and Economic Evaluations. Systematic Review (SR) was prioritized in the period from 2000 to 2011 and randomized clinical trials (RCTs) published in English, Portuguese and Spanish in the period from 2008 to 2011 in order to upgrade the latest RS identified, published in 2010. Results: The long-acting insulins were not superior to NPH in relation to glycemic control as measured by glycosylated hemoglobin and were more effective compared to NPH in reducing episodes of nocturnal hypoglycemia and hypoglycemia in general in both patients using insulin glargine or detemir, but the same was not observed in relation to severe hypoglycemia; changes in weight gain have not been examined in many studies, but there was a trend toward less weight gain with long acting insulin.

Keywords: Diabetes Mellitus, Insulin Analogues; Systematic Review


 

 

Introdução

Contexto epidemiológico

O diabete mellitus (DM) é doença crônica, caracterizada por aumento anormal da glicose no sangue (hiperglicemia). Apresenta alta morbimortalidade com perda importante na qualidade de vida. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estimou em 1997 que, após 15 anos de doença, 2% dos indivíduos acometidos estariam cegos e 10% teriam deficiência grave de visão. Além disso, estimou que, no mesmo período de doença, 30% a 45% teriam algum grau de retinopatia, 10% a 20% de nefropatia, 20% a 35% de neuropatia e 10% a 25% teriam desenvolvido doença cardiovascular.2

O DM é comum e de incidência crescente, tornando-se a epidemia do século. Afeta atualmente cerca de 246 milhões de pessoas em todo o mundo. Estimou-se que em 1995, atingia 4% da população adulta mundial e que, em 2025, alcançará a cifra de 5,4%. A maior parte desse aumento se dará em países em desenvolvimento, acentuando-se, nesses países, o padrão atual de concentração de casos no grupo de 45-64 anos.8

No Brasil, no fim da década de 1980, estimou-se que o diabete ocorria em cerca de 8% da população de 30 a 69 anos de idade, residente em áreas metropolitanas. Essa prevalência mudava de 3% a 17% entre 30-39 anos e 60-69 anos.8 De acordo com o Sistema de Monitoramento de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas Não Transmissíveis (Vigitel, 2007)6 no país a ocorrência média de diabete na população adulta (acima de 18 anos) é de 5,2%, o que representa 6.399.187 de pessoas afetadas pela doença. A prevalência aumenta com a idade: o DM acomete 18,6% da população com idade superior a 65 anos.

Os tipos de DM mais frequentes são o DM1, anteriormente conhecido como diabete juvenil, que compreende cerca de 10% do total de casos, e o DM2, anteriormente conhecido como diabete do adulto, que abrange cerca de 90% do total de casos.12 Como o DM é doença progressiva, com o decorrer dos anos quase todos os pacientes requerem tratamento farmacológico, muitos deles com insulina, uma vez que as células beta do pâncreas tendem a um estado de falência parcial ou total ao longo dos anos.

Vários estudos têm demonstrado que o bom controle metabólico para os acometidos de DM1 ou DM2 diminui as complicações agudas e crônicas da doença. O controle glicêmico é o desfecho mais frequentemente avaliado em ensaios clínicos para a comparação dos tratamentos de DM, medido por glicemia de jejum ou dosagem da hemoglobina glicada (HbA1c). A hemoglobina glicada reflete a glicemia média de um indivíduo num período de três meses e é indispensável para avaliar o controle glicêmico e a eficácia do tratamento administrado.11

As insulinas têm sido aplicadas para controlar a glicemia, mantendo valores de HbA1c em teor que permitiria: retardar a progressão da doença; aumentar a qualidade de vida; prevenir emergências diabéticas; reduzir o risco de complicações microvasculares e macrovasculares e diminuir os eventos adversos do tratamento, principalmente os episódios de hipoglicemia. Os valores normais de hemoglobina glicada, para pessoas sem DM, estão entre 4% e 6%. Para pacientes com DM os valores abaixo de 7% indicam controle adequado. Teores acima de 7% estão relacionados a maior risco de complicações como doenças cardiovasculares, renais, dos nervos periféricos e dos olhos.11

As opções terapêuticas tradicionalmente disponíveis podem promover o controle adequado, porém aumentando o risco de hipoglicemia, uma das mais temíveis complicações agudas do DM. O medo desta complicação é considerado o maior obstáculo para o controle glicêmico com o tratamento insulínico intensivo. A hipoglicemia pode ter um efeito devastador na qualidade de vida do paciente, durante e após um evento. Além disto, as hipoglicemias repetidas podem levar a complicações neurológicas importantes. Nas últimas décadas, observou-se o surgimento de novas opções terapêuticas as quais pretendem ser mais eficazes e seguras que as tradicionais. Nesse sentido, as insulinas análogas têm sido crescentemente indicadas no tratamento desses pacientes, porém, sem critérios com padrões.7,11 Vale ressaltar que até o momento não foram incorporadas pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Contexto político

Este artigo foi elaborado por solicitação da Coordenadoria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos (CCTIES) da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, a qual tem como principais atribuições “coordenar a política de aquisição de insumos estratégicos para as atividades relacionadas às áreas de sua competência e o sistema de sangue, componentes e derivados do Estado de São Paulo”. Tal solicitação foi feita em razão de expressiva demanda pela compra de insulinas análogas por meio de ações judiciais, após a constatação de que fazem parte da relação dos medicamentos mais frequentemente solicitados por esse meio e que em de 2006 totalizaram 442 processos judiciais.3 Nesse contexto, a CCTIES declarou interesse na elaboração desse estudo, desenvolvido no âmbito do Curso Avançado de Avaliação de Tecnologias em Saúde, oferecido pelo Decit/Ministério da Saúde em parceria com Instituto de Efectividad Clínica y Sanitaria (IECS) da Argentina. Dessa forma, não existe conflito de interesse por parte do demandante ou dos pesquisadores envolvidos na sua elaboração, uma vez que não estão envolvidos na produção, importação ou comércio da tecnologia avaliada.

Descrição da tecnologia

A insulina é indicada para todos os pacientes com DM1, bem como para pacientes com DM2 que são incapazes de alcançar controle glicêmico adequado através de exercício, dieta e hipoglicemiantes orais. A principal função da insulina basal é regular a homeostase hepática da glicose no estado de jejum ou entre as refeições, mimetizando o que ocorre com a secreção fisiológica de insulina pelas células beta pancreáticas em indivíduos não diabéticos.

As primeiras preparações de insulinas foram extraídas de animais até o início dos anos 1980. A partir daí grandes foram os avanços. Pelo uso da tecnologia do DNA recombinante iniciou-se a era das insulinas biosintéticas, análogas das insulinas humanas: de ação ultrarrápida (lispro, 1996; aspart, 1999 e glulisina, 2004) e de ação longa (glargina, 2004 e detemir, 2006).12

Estão registradas na ANVISA e disponíveis no mercado quatro marcas de insulina NPH ou isófana (InsunormN®, Novolin N®, InsuneoN® e Hamolin®) e duas insulinas de ação longa (insulina glargina – Lantus® e detemir - Levemir®). A farmacodinâmica e a farmacocinética das insulinas análogas de ação longa são distintas, porém se assemelham pela maior previsão de ação em relação à NPH. Segue uma breve descrição das insulinas de interesse neste artigo.2

NPH (Neutral Protamine de Hagedorn) ou isófana: é a insulina exógena mais prescrita a diabéticos insulino-dependentes, e é também o composto insulínico mais barato disponível no mercado.

Insulina glargina: insulina humana recombinante análoga, equipotente à insulina humana. É produzida pela substituição da aspargina na posição A21 da molécula de insulina humana pela glicina e pela adição de duas moléculas de arginina na posição B30. Essa modificação reduz a solubilidade quando em contato com o pH do tecido subcutâneo e retarda a absorção resultando num suprimento basal constante, assemelhando-se mais à insulina fisiológica. Em razão do perfil de redução de glicose sem pico com duração de ação longa, a dose é administrada por via subcutânea uma vez ao dia. Pode ser aplicada a qualquer hora do dia, entretanto, no mesmo horário todos os dias.

Insulina determir: é análogo de insulina basal solúvel de longa ação com um perfil de ação uniforme com ação longa. É produzida pela remoção do aminoácido treonina da posição B30 e a adição de um ácido graxo (ácido mirístico) na posição B29. O perfil de ação de tempo é significantemente menos diverso que insulina NPH e insulina glargina. A ação longa resulta de forte autoassociação das moléculas de insulina detemir no lugar da injeção e ligação de albumina pela cadeia lateral de ácido graxo. É mais vagarosamente distribuída para tecidos periféricos alvo comparado com insulina NPH. Esses mecanismos combinados fornecem um perfil de ação e absorção mais reproduzível dessa insulina comparado com insulina NPH. O efeito de diminuição de glicose sanguínea é causado pela absorção facilitada de glicose após ligação de insulina a receptores em células adiposas e musculares e pela inibição simultânea da liberação de glicose pelo fígado. A duração de ação é de até 24 horas dependendo da dose, propiciando a oportunidade para administração de uma ou duas vezes ao dia.

 

Objeto

Avaliar as evidências científicas sobre a eficácia das insulinas de ação longa – glargina e detemir - no tratamento de pacientes de DM2 comparada ao tratamento convencional (insulina NPH).

 

Método

Pergunta de investigação

A especificação do problema a avaliar baseou-se na proposta de utilização conhecido por “PICO”, sigla das iniciais das palavras População/Intervenção/Controle/Outcomes (resultados), cujos tópicos identificam com clareza e precisão a formulação da pergunta da investigação conforme recomendação do Ministério da Saúde no documento “Diretrizes para a elaboração de Pareceres Técnico-Científicos”.9

População: pacientes adultos com DM2. Optou-se por estes porque é o tipo de DM com maior prevalência e porque em diversos protocolos clínicos há consenso sobre a inclusão de pacientes de DM1 em situações clínicas específicas,7,12 o que leva a crer que existem mais dúvidas em relação à indicação das insulinas análogas nos pacientes portadores de DM2.

Intervenção: Insulinas de ação longa: glargina e detemir. Optou-se por focar o estudo nas insulinas de ação longa empregadas no tratamento em domicílio de pacientes DM2.

Controles: Pacientes que utilizam insulina de ação intermediária (NPH). A opção pela insulina NPH foi feita em razão de ser a primeira escolha para o tratamento de pacientes diabéticos nos protocolos clínicos e pelo fato de o fármaco estar disponível no SUS.

Outcomes (resultados): controle glicêmico (avaliado por meio da hemoglobina glicada); episódios de hipoglicemia, ganho de peso, eventos adversos e qualidade de vida.

 

Estratégia de busca e análise

Realizou-se busca nas bases de dados MEDLINE, Pubmed, EMBASE, Cochrane Library, Trip Database e LILACS, e de forma global, em diversas fontes para localizar Avaliações Tecnológicas, Políticas de Cobertura e Avaliações Econômicas. Deu-se prioridade a estudos de revisão sistemática (RS) de 2000 a 2011 e ensaios clínicos randomizados (ECR) divulgados em português, inglês e espanhol de 2008 a 2011, no intuito de aperfeiçoar a última RS identificada, de 2010. As estratégias de busca utilizadas encontram-se no Quadro 1.

 

A análise da qualidade dos estudos foi feita com base nas recomendações do Manual para elaboração de pareceres técnico-científicos, do Ministério da Saúde.9

 

Resultados

Revisões sistemáticas

Foram identificadas nove RS de 2000 a 2011, voltadas à avaliação de aspectos clínicos e econômicos das insulinas análogas em comparação à NPH. Como vários estudos incluíam insulinas análogas de ação rápida e ação longa, optou-se por incluir as nove RS, extraindo somente os resultados pertinentes às insulinas de longa duração, as quais são objeto deste artigo. Dois estudos são comunicados de Avaliação de Tecnologias em Saúde (ATS), elaboradas pelo National Institute for Health and Clinical Excellence (NICE) e pela Canadian Agency for Drugs And Technologies in Health (CADTH).

Os resultados das RS são sintetizados a seguir:
Waught et al (2010)17 fizeram um informe de Avaliação Tecnológica sobre o manejo do DM2 com o intuito de aprimorar o informe do NICE, de maio de 2008.

Foram incluídos quatro grupos de medicamentos utilizados no tratamento de DM2, dentre eles, as insulinas de longa duração (glargina e detemir). O informe incluiu cinco revisões sistemáticas, que tinham incluído pelo menos um ensaio clínico randomizado de seguimento de pacientes por pelo menos 12 semanas: Duckwort et al (2007)4, Wang (2003)15, Horvath et al (2007)5, esta última uma revisão Cochrane; Warren et al (2004)16 e Tran et al (2007)14. Essas revisões abrangeram 14 ECR sobre insulina glargina e dois ECR sobre insulina detemir. Meta-análises foram realizadas usando o Cochrane Review Manager software (RevMan) e os desfechos analisados foram: controle glicêmico segundo HbA1c, episódios de hipoglicemia, alterações no peso, eventos adversos, qualidade de vida e custos.  Os dados foram resumidos para variantes contínuas (por exemplo, HbA1c, mudança de peso) como WDM (diferença de médias ponderadas) com IC 95%, utilizando o método de variância inversa e um modelo de efeitos ao acaso. Para variantes dicotômicas (hipoglicemia), os dados foram expressos em relação aos riscos com IC de 95%. Em relação ao controle glicêmico, não houve diferença no teor de HbA1c entre glargina e NPH. No tocante à hipoglicemia não houve diferença na frequência de hipoglicemia grave entre os análogos e NPH, mas, sobretudo a hipoglicemia noturna foi menos frequente com as insulinas de longa duração. As meta-análises mostraram que aqueles que receberam a insulina glargina tiveram ganho de peso um pouco menor do que aqueles com NPH, mas a diferença não foi estatisticamente significante. Em relação à insulina detemir, a diferença era um pouco maior (1,2 kg; IC 95% de -1,6 a -0,8).

Sumeet et al (2009)13 realizaram ampla revisão sobre os efeitos das insulinas de ação rápida e de longa duração, em comparação à NPH. Foram incluídos 68 ensaios clínicos controlados sobre insulinas de ação rápida e 49 ensaios sobre insulinas de ação prolongada, mas para esta análise foram extraídos somente os resultados relativos à comparação das insulinas glargina e detemir com a insulina NPH. Os autores não identificaram diferenças estatisticamente significantes entre os grupos que receberam insulinas análogas ou NPH em relação aos desfechos analisados (hemoglobina glicada e episódios de hipoglicemia noturna).

Horvarth et al (2008)5 incluíram em sua revisão sistemática seis estudos comparando a insulina glargina à insulina NPH e dois estudos comparando a insulina detemir com a insulina NPH. Nesses ensaios, com duração entre 24 a 52 semanas, 1.715 pacientes foram randomizados para insulina glargina e 578 pacientes a insulina detemir. O controle metabólico medido pela HbA1c e os efeitos adversos não diferiram clinicamente de  forma relevante entre os grupos de tratamento. Porém, diferenças a favor das insulinas análogas foram identificadas em relação às frequências de hipoglicemia sintomática, em geral e noturna.

O estudo de Monami et al (2008)10 incluiu 14 ECR com uma duração superior a 12 semanas, que compararam insulinas análogas de ação longa (glargina ou detemir) com a insulina NPH em diabéticos tipo 2. Dados sobre HbA1c e índice de massa corporal (IMC) ao fim do seguimento e incidência de vários tipos de hipoglicemia foram analisados. Análogos de longa duração não produziram qualquer melhoria significante da HbA1c, em comparação com NPH. Ao analisar o efeito de análogos de longa duração sobre o peso corporal, a insulina detemir foi associada com um ganho de peso significantemente menor do que a insulina humana. Ambas, glargina e detemir, foram associadas a risco reduzido de hipoglicemia noturna e sintomática.

Bazzano et al (2008)1 analisaram sistematicamente as provas sobre a segurança e eficácia das insulinas NPH e glargina no manejo do DM2. Dados de 4.385 pacientes participantes de 12 ECR foram incluídos na meta-análise, que averiguou desfechos relacionados ao controle glicêmico, ganho de peso e hipoglicemia. Não foram identicadas diferenças significantes em relação à glicemia de jejum e HbA1c entre os grupos NPH e glargina. Os pacientes no grupo da insulina glargina apresentaram menos episódios de hipoglicemia (em geral, sintomática e noturna) e as diferenças entre os grupos foram estatisciamente significantes. De outro lado, os pacientes no grupo da insulina NPH apresentaram menor ganho de peso, quando comparados ao grupo da insulina glargina.

Tran et al (2007)14 fizeram uma revisão sistemática e meta-análise para avaliar aspectos clínicos e econômicos do uso de análogos de longa duração para o tratamento do DM, comparando insulinas análogas e NPH. Um total de 34 ensaios clínicos randomizados foram selecionados para a revisão, sendo 23 ensaios de pacientes com DM1 e 11 ensaios em DM2. A evidência disponível sugere que as insulinas de ação longa não mostraram diferenças clinicamente importantes na hemoglobina glicada, um marcador amplamente utilizado no controle glicêmico no DM tipos 1 e 2. A insulina glargina reduziu o risco de hipoglicemia noturna, mas isso não ocorreu em relação à hipoglicemia grave em pacientes com DM2.

Duckworth e Davis (2007)4 realizaram revisão sistemática incluindo 8 ensaios clínicos randomizados, feitos na Europa e nos Estados Unidos, com duração entre 4 e 52 semanas. Os estudos foram comparados em relação aos delineamentos, parâmetros de eficácia primários e secudários, HbA1c, glicemia de jejum e incidência de hipoglicemia. Todos os estudos compararam a insulina glargina com insulina NPH administradas uma ou duas vezes isoladamente ou em conjunto com hipoglicemiantes orais em pacientes com DM2. Os autores concluíram que a eficácia da insulina glargina é semelhante à NPH quanto ao controle glicêmico. Porém a insulina glargina teve associação estatisticamente significante com menos episódios de hipoglicemia, especialmente a hipoglicemia noturna.

Warren et al (2004)16 analisaram o uso de insulina glargina no tocante a aspectos clínicos e econômicos. Foram identificados 19 estudos, mas relatórios completos estavam disponíveis apenas para seis. Em relação ao DM2 não houve evidências de que insulina glargina é mais eficaz do que NPH na redução da glicemia de jejum ou HbA1c. Resultados de controle da hipoglicemia foram controvertidos, sem demonstração conclusiva de que a insulina glargina é superior à NPH no controle da hipoglicemia sintomática, hipoglicemia grave ou noturna.

Wang et al (2003)15 produziram uma revisão sistemática com 14 ECR realizados na Europa e nos Estados Unidos com mais de 100 pacientes e com duração entre 4 e 52 semanas, que comparou insulina glargina a insulina NPH em pacientes de DM2. Os autores informaram que os estudos primários tinham amostras pequenas, com pouco poder estatístico para identificar diferenças em relação à HbA1c, além de apresentarem vários problemas metodológicos. Nesse contexto, a insulina glargina pareceu reduzir os níveis da glicemia de jejum quando comparada à NPH, sem promover reduções significantes na HbA1c. Os achados relacionados à hipoglicemia e ganho de peso eram diversos de estudo para estudo, com indícios de melhores resultados da insulina glargina em relação a episódios de hipoglicemia noturna. Os pacientes expressaram maior satisfação com o tratamento de insulina glargina, porém o custo desse tratamento é o dobro daquele com insulina NPH.

Ensaios Clínicos Randomizados

Na busca adicional não foram identificados novos ECR publicados depois da revisão sistemática de Waugh et al.17

 

Discussão

A questão da incorporação das insulinas análogas pelo SUS e sua repercussão econômica continua sendo pauta nas agendas dos gestores, uma vez que é crescente a solicitação desse fármaco pelos pacientes por meio de ações judiciais.

Analisando-se as evidências disponíveis, as insulinas de longa duração não se mostraram superiores à NPH em relação ao controle glicêmico, medido pela hemoglobina glicosilada; mostraram-se mais eficazes em relação à NPH na redução de episódios de hipoglicemia noturna e hipoglicemia em geral, em pacientes que receberam tanto a insulina glargina quanto a detemir, mas isso não se observou em relação à hipoglicemia grave; as alterações no ganho de peso não foram analisadas em muitos estudos, mas houve tendência a menor ganho de peso com as insulinas de longa duração.

As avaliações econômicas analisadas no informe (as quais não foram apresentadas no escopo desse artigo) não são conclusivas em relação ao custo-efetividade das insulinas análogas. Em dezembro de 2010 o Ministério da Saúde apresentou o Boletim Brasileiro de Avaliação de Tecnologias em Saúde (BRATS)8 sobre as insulinas glargina e detemir no controle da DM1, em que os custos das três insulinas foram analisados. Para a base de cálculo foram considerados o menor preço aprovado pela Câmara de Regulação de Mercado de Medicamentos (CMED) e a dose estabelecida para um paciente adulto de 70 kg. A análise desses resultados mostrou que os custos para o tratamento com as insulinas análogas de longa duração glargina e detemir é significantemente superior ao tratamento convencional com NPH.7

Considerando que os recursos financeiros na saúde são escassos e à luz da crescente prevalência de DM2, há necessidade de se estabelecer critérios bem definidos para uso das insulinas análogas, com base nas evidências disponíveis. Recentemente foi instituído, por meio da Resolução SS nº 115, de 14 de novembro de 2012, um Comitê Técnico de Diabetes da Comissão de Farmacologia da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo (CF-SES/SP), a fim de promover ações de melhoria no tratamento farmacológico do paciente diabético no Estado de São Paulo. Este artigo foi encaminhado para a apreciação desse grupo e espera-se que possa contribuir para a elaboração de critérios quanto à dispensa de insulinas análogas a pacientes em tratamento no SUS-SP.

 

Referências

1. Bazzano LA, Lee LJ, Shi L, Reynolds K, Jackson JA, Fonseca V. Safety and efficacy of glargine compared with NPH insulin for the treatment of type 2 diabetes: a meta-analysis of randomized controlled trials. Diabet Med. 2008; 25(8):924-32.         [ Links ]

2. Canadian Agency for Drugs and Technologies in Health.  Long-Acting insulin analogues for the treatment of diabetes mellitus: meta-analysis of clinical outcomes: CADTH Technology Overviews [periódico na internet]. 2010 [acesso em 24 abr 2013];1(1):e0113.   Disponível em: http://www.cadth.ca/en/products/cadth-overviews/vol-1-issue-1/vol-issue-2-13        [ Links ]

3. Chieffi AL, Barata RCB. Ações judiciais: estratégia da indústria farmacêutica para introdução de novos medicamentos. Rev Saúde Pública [periódico na internet].  2010[acesso em 12 abr 2012];44(3):421-9. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v44n3/05.pdf        [ Links ]

4. Duckworth W, Davis SN. Comparison of insulin glargine and NPH insulin in the treatment of type 2 diabetes: a review of clinical studies. J Diabetes Complications. 2007;21:196–204.         [ Links ]

5. Horvath K, Jeitler K, Berghold A, Ebrahim SH, Gratzer TW, Plank J,  et al. Long-acting insulin analogues versus NPH insulin (human isophane insulin) for type 2 diabetes mellitus. Cochrane Database Syst Rev [base de dados na internet]. 2007;18(2):CD005613. [acesso em 24 abr 2013].  Disponível em: http://cochrane.bvsalud.org/cochrane/show.php?db=reviews&mfn=3469&id=CD005613&lang=pt&dblang=&lib=COC&print=yes        [ Links ]

6. Ministério da Saúde.  Vigitel 2007. Vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico [monografia na internet]. Brasília (DF); 2008. [acesso em 20 out 2011]. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/vigitel2007_final_web.pdf.         [ Links ]

7. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA).   Insulina glargina e insulina detemir no controle da diabetes mellitus tipo 1.  BRATS: Bol Bras Aval Tecnol Saúde [periódico na internet] 2010. [acesso em 10 maio 2011];5(3):1-15. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/ct/pdf/brats2010_n13.pdf        [ Links ]

8. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Diabetes Mellitus [monografia na internet].  Brasília (DF);2006. 64p. (Cadernos de atenção básica, 16. Série A. Normas e manuais técnicos). [acesso em 10 out 2011]. Disponível em:  http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/abcad16.pdf

9. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Ciência e Tecnologia.   Diretrizes metodológicas: elaboração de pareceres técnico-científicos[monografia na internet].  Brasília (DF); 2011. 80p.  (Série A. Normas e manuais técnicos).[acesso em 23 jan 2012]. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/DiretrizesPTC.pdf

10. Monami M, Marchionni N, Mannucci E. Long-acting insulin analogues versus NPH human insulin in type 2 diabetes: a meta-analysis. Diabetes Res Clin Pract. 2008; 81(2):184–9.         [ Links ]

11. Sociedade Brasileira de Diabetes Mellitus.  Atualização sobre hemoglobina glicada para avaliação do controle glicêmico e para o diagnóstico do diabetes: aspectos clínicos e laboratoriais [monografia na internet]. São Paulo: Grupo Interdisciplinar de Padronização da Hemoglobina Glicada – A1C; 2009.  [acesso em 20 out 2011]. Disponível em:  http://www.diabetes.org.br/attachments/502_posicionamentos_SBD_3_jan09.pdf        [ Links ]

12. Sociedade Brasileira de Diabetes Mellitus. Revisão sobre análogos de insulina: indicações e recomendações para a disponibilização pelos serviços públicos de saúde Posicionamento Oficial SBD nº 01/2011 [monografia na internet]. São Paulo; 2011. [acesso em 20 out 2011]. Disponível em: http://www.diabetes.org.br/attachments/posicionamento/posicionamento-sbd-n-01-2011.pdf        [ Links ]

13. Sumeet RS, Fida A, Avtar L, Changhua Yu, Zemin B, Heather B.  Efficacy and safety of insulin analogues for the management of diabetes mellitus: a meta-analysis. CMAJ. 2009;180(4):385-97.         [ Links ]

14. Tran K, Banerjee S, Li H, Cimon K, Daneman D, Simpson SH,  et al. Long-acting insulin analogues for diabetes mellitus: meta-analysis of clinical outcomes and assessment of cost-effectiveness  [monografia na internet]. Ottawa: Canadian Agency for Drugs and Technologies in Health; 2007. (Technology report, 920). [acesso em 20 out 2011]. Disponível em: http://www.crd.york.ac.uk/crdweb/ShowRecord.asp?LinkFrom=OAI&ID=32007000623        [ Links ]

15. Wang F, Carabino JM, Vergara CM.  Insulin glargine: a systematic review of a long   acting insulin analogue. Clin Ther. 2003; 25(6): 1541–77.         [ Links ]

16. Warren E, Weartheley-Jones E, Chilcott J, Beverley C. Systematic review and economic evaluation of long acting insulin analogue, insulin glargine. Health Technol Assess [periódico na internet]. 2004. [acesso em 2 fev 2013];8(45)1-57. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmedhealth/PMH0015055/pdf/summ845.pdf        [ Links ]

17. Waugh N, Cummins E, Royle P, Clar C, Marien M, Richter B, et al. Newer agents for blood glucose control in type 2 diabetes: systematic review and economic evaluation. Health Technol Assess [periódico na internet]. 2010 [acesso em 2 fev 2013];14(36):1-248. D Technol Assess [periódico na internet]. 2010 [acesso em 2 fev 2013];14(36):1-248. Disponível em: http://wrap.warwick.ac.uk/44115/2/WRAP_Waugh_Newer_