SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.12 número1Imersões, reciclagens e singularidades índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Artigo

Indicadores

  • Não possue artigos citadosCitado por SciELO

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Bookmark


BIS. Boletim do Instituto de Saúde (Impresso)

versão impressa ISSN 1518-1812

BIS, Bol. Inst. Saúde (Impr.) v.12 n.1 São Paulo abr. 2010

 

Cidade solo: passos, saúde, cidade

 

 

Belkis Trench

Belkis Trench (trenchb@isaude.sp.gov.br) é doutora em Psicologia, pesquisadora do Instituto de Saúde da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo. Participou, com algumas das fotografias apresentadas no ensaio Cidade solo, da Exposição Mostra Casa FUJI de Fotografia, em 2002.

 

Carregado de mim ando no mundo

E o grande peso embarga-me as passadas,

Que como ando por vias desusadas,

Faço o peso crescer, e vou-me ao fundo (...) (G.Mattos)

 

Só se vê aquilo que se olha

 

 

De tanto esgarçar os ligamentos e torcer o tornozelo nas ruas de São Paulo, forçosamente tive que desenvolver o hábito de caminhar pela cidadeI não vendo nada, a não ser pisos e calçadas. Minhas primeiras andanças foram, de início, um verdadeiro suplício. Cada buraco que via, meu corpo se retorcia, pernas endureciam e o tornozelo tremia, amolecia.

São Paulo é uma cidade que nos obriga a andar olhando para o lugar onde se pisa. Passo a passo caminhamos à espreita. Nosso corpo é duro, concretizado, armado. Nossos olhos é que nos movimentam: vislumbram ladrões, anteveem buracos, defendem-se dos movimentos acelerados dos carros, motocicletas, até mesmo de outros olhos transeuntes que estejam em sua mira ou alçada.

 

Se podes olhar, vê. Se podes ver, repara

Cada olho desta cidade desenvolve certos mecanismos para amortizar a retina. O olho, assim defendido, torna-se protegido, olha tudo e quase não vê nada. Por outro lado, a imobilidade de tantas retinas produz certas máculas cristalinas: olhamos para nós mesmos apenas para nos certificarmos do que já sabemos, o outro nos apavora, pois é ele o anteparo deste ensaio cotidiano sobre a cegueira.

Meu olho em nada se difere de outros olhos que peregrinam pelas ruas da cidade. Diria que sua única singularidade ou peculiaridade é apenas a teimosia, pois, por mais que eu insista em adestrá-lo e deixá-lo protegido, à minha revelia, ele devaneia e toma rumos inesperados: insiste em ver a presença do "outro" nas fendas, buracos que encontra pelas ruas, vestígios do "demasiado humano" no asfalto da cidade, esperança em poças d-água, desejos secretos nos objetos que aleatoriamente encontra espalhados pelas ruas da cidade.

 

 

Em busca dos passos perdidos

 

 

Olhar para baixo e não para cima, andar a esmo, errar o rumo, não sei para onde vou, ou onde os meus passos me levam. É algo difícil de ser vivido em uma época que todos os nossos passos são contabilizadosII, dirigidos. Nesta ótica, nem um passo pode ser perdidoIII.

Se, de um lado, toda essa preocupação com os nossos passos nos trazem alguns benefíciosIV, de outro, tanto controle e disciplinaV impossibilita que o prazer, o acaso, a poética das ruas da cidade adentre em nossas vidas.

"A rua nasce como o homem do soluço e do espasmo, há suor humano na argamassa do seu calçamento" (Do Rio J, 2003). Sem o homem, nenhuma rua existiria, ele as inventa, planeja, cria. Se o homem faz da rua uma parte sua, e não a habita, a vida na cidade se torna sem dono. Desértica. Vazia.

 

 

Notas

I - Caminhar, diz Le Breton, no livro "Elogio à caminhada", "é uma espécie de abertura ao mundo, ela reabilita o homem dos sentimentos horrorosos de sua existência". No caso específico das perambulações urbanas, ou errâncias urbanas, há uma longa trajetória que aqui apenas mencionaremos: o flâneur de Baudelaire, a caminhada dos Surrealistas, e a deriva dos Situcionistas.

II - Os passos são números, diz Certeau (1994), mas números que não constituem uma série. "Não se pode contá-lo, porque cada uma de suas unidades é algo qualitativo: um estilo de apreensão táctil, de apropriação cinésica. Sua agitação é um inumerável de singularidades. Os jogos dos passos moldam espaços. Tecem os lugares".

III - No Livro "Nadja", de André Breton, a personagem, uma caminhante surrealista, afirma: "mas não existe passo perdido".

IV - Uma das atividades físicas mais indicadas pelos profissionais de saúde é a caminhada. Seus benefícios, dizem, são inúmeros: ajuda a perder peso e levantar o astral, ajuda a melhorar o desempenho do coração, aumentar a eficiência do sistema imunológico, controla o colesterol. Ainda atua na prevenção da diabetes, diminui o estresse, protege os ossos, ajuda a fazer mais amigos, etc, etc.

V - Se fossemos fazer um comercial da caminhada, provavelmente ele se assemelharia a um famoso anúncio de esponja de aço: 1001 utilidades. Porém, para que seus benefícios sejam efetivos, uma série de regras deverão ser seguidas, tais como frequência (três vezes por semana, intercalando-se os dias). Deve-se também escolher locais poucos poluídos, os melhores horários são antes das 10:00 horas e depois das 17:00 horas, para evitar os efeitos indesejáveis dos raios solares mais fortes. É indicado que se escolha locais com o piso macio e, quando possível, use roupas confortáveis e de cores claras, tênis leve, macio e apropriado, dispense roupas sintéticas. Tenha postura ereta com certa retração do abdômen, mantenha os braços distendidos e em movimentos rítmicos (...) Dê passos largos, mas não acelerados. Permitem-se conversas amenas e despreocupadas, tudo isso sem perder a postura e o ritmo (http://www.humanasaude.com.br).

 

 

Referências

1. Breton A. Nadja. São Paulo: Cosac Naify; 2007. p.71.         [ Links ]

2. Certeau M. A invenção do Cotidiano: A arte de fazer. Rio de Janeiro: Vozes; 1994.         [ Links ]

3. Do Rio J. A Alma encantadora das ruas. São Paulo: Companhia das Letras; 2003. p.30.         [ Links ]

4. Le Breton D. Eloge de la Marche. Paris: Éditions Metailié; 2000. p.11.         [ Links ]

5. Mattos G. Antologia. Porto Alegre: L± 2006. p.107.         [ Links ]

6. Merleau-Ponty M. O Olho e o Espírito. São Paulo: Cosac Naify; 2004.         [ Links ]

7. Saramago J. Ensaio sobre a cegueira. São Paulo: Companhia das Letras; 1995.         [ Links ]