SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.14 número1Homens idosos e o HIV/Aids no campo da Saúde Coletiva: vulnerabilidades e desafios na quarta década da epidemiaDisfunção erétil: da medicalização à integralidade do cuidado na Atenção Básica índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Artigo

Indicadores

  • Não possue artigos citadosCitado por SciELO

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Bookmark


BIS. Boletim do Instituto de Saúde (Impresso)

versão impressa ISSN 1518-1812

Resumo

JESUS, Christiane Herold de  e  LUPPI, Carla Gianna. A população adulta em situação de rua da área central do município de São Paulo e a vulnerabilidade às infecções sexualmente transmissíveis e Aids: um estudo descritivo. BIS, Bol. Inst. Saúde (Impr.) [online]. 2012, vol.14, n.1, pp. 91-100. ISSN 1518-1812.

O cuidado com a saúde da população de rua tem sido um desafio, em especial na região central de áreas metropolitanas no Brasil. O Centro de Saúde Escola Barra Funda, unidade de Atenção Primária à Saúde da região central de São Paulo, elaborou estudo para verificar as condições que elevam a vulnerabilidade dessa população às infecções sexualmente transmissíveis. O objetivo foi investigar os conhecimentos, atitudes e práticas em relação às IST e ao HIV da população em situação de rua que frequenta o CSEBF-AV. Trata-se de um estudo transversal realizado durante o atendimento dos usuários no serviço. Do total de entrevistados, 31,9% relataram não utilizar preservativo nos últimos seis meses. Observou-se que os indivíduos com menor escolaridade, os mais velhos, aqueles que relataram menor número de parceiros nos últimos seis meses e os que acreditavam que nas relações sexuais com pessoas aparentemente saudáveis não seria possível a transmissão do HIV foram os que apresentaram as menores frequências de uso do preservativo. A vulnerabilidade social foi percebida, pois quanto menor a escolaridade, menos frequente foi o uso do preservativo. O acesso ao serviço de saúde, o uso do preservativo e o percentual de realização do exame anti-HIV refletiram possivelmente uma baixa vulnerabilidade programática. Permanecem ainda algumas crenças, como a proteção ao HIV por meio de relações sexuais com pessoas de boa aparência ou aparentemente saudáveis.

Palavras-chave : População em situação de rua; Vulnerabilidade; Infecções sexualmente transmissíveis; Atenção primária à saúde.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · pdf em Português