SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.13 número2O direito e o acesso à saúde de gays e homens que fazem sexo com homens: um olhar sobre o VIII Congresso Brasileiro de Prevenção das DST e Aids e I Congresso Brasileiro das Hepatites ViraisO conhecimento do público acerca da epilepsia: uma pequena amostragem em Campinas (SP) índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Artigo

Indicadores

  • Não possue artigos citadosCitado por SciELO

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Bookmark


BIS. Boletim do Instituto de Saúde (Impresso)

versão impressa ISSN 1518-1812

Resumo

MORAIS, Maria de Lima Salum e  e  SEGRI, Neuber José. Prevalência de transtornos mentais comuns auto-referidos e sua relação com os serviços de saúde em municípios da Baixada Santista - SP. BIS, Bol. Inst. Saúde (Impr.) [online]. 2011, vol.13, n.2, pp. 141-146. ISSN 1518-1812.

O trabalho objetivou identificar, em municípios da Baixada Santista, a prevalência de transtornos mentais comuns (TMC) - entendidos como relatos dos entrevistados de sofrerem depressão, ansiedade ou problemas emocionais - e investigar a relação das pessoas que relataram tais problemas com o acesso aos serviços de saúde. Os dados foram obtidos em inquérito realizado em Cubatão, São Vicente, Praia Grande, Guarujá e Santos, tendo sido entrevistadas 6.804 pessoas. O município com menor prevalência de TMC foi São Vicente. A prevalência total de TMC foi 17,77%. Verificou-se maior prevalência em mulheres, pessoas mais velhas, separadas ou viúvas. 54,14% dos entrevistados afirmaram ter recebido o diagnóstico de profissionais de saúde, e 42,70% se autorreferiram como tendo os problemas citados. 41,37% dos informantes declararam nunca ter procurado serviços de saúde em decorrência de tais problemas. Os principais motivos alegados para a não procura de serviços de saúde em razão de TMC foram: não achar necessário, não ter tempo e dificuldades de acesso. Os achados do estudo indicam que muitas pessoas não reconhecem os TMC como problemas de saúde, a “invisibilidade” desses transtornos para diversos serviços de saúde e a necessidade de qualificar os profissionais para a escuta e acolhimento de pessoas com sofrimento psíquico.

Palavras-chave : Transtornos mentais comuns; Baixada Santista; Serviços de saúde.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · pdf em Português