Scielo RSS <![CDATA[BEPA. Boletim Epidemiológico Paulista (Online)]]> http://periodicos.ses.sp.bvs.br/rss.php?pid=1806-427220140002&lang=pt vol. 11 num. 122 lang. pt <![CDATA[SciELO Logo]]> http://periodicos.ses.sp.bvs.br/img/en/fbpelogp.gif http://periodicos.ses.sp.bvs.br <![CDATA[<b>Análise do comportamento epidemiológico da tuberculose na região metropolitana de São Paulo, SP, frente à estratégia do tratamento diretamente observado, no período de 2001 a 2008</b>]]> http://periodicos.ses.sp.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-42722014000200001&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Diante da alta incidência de casos de tuberculose no mundo, principalmente em países com baixo desenvolvimento social, a Organização Mundial da Saúde (OMS) lançou, em 1994, a diretriz do Tratamento Diretamente Observado de Curto Prazo (DOTS), considerada como estratégia efetiva no controle da tuberculose. Em 1998 o DOTS começou a ser implantado no Brasil, priorizando cidades com altos índices de casos da doença, muitas pertencentes à Região Metropolitana de São Paulo (RMSP). O objetivo deste trabalho foi estudar o comportamento epidemiológico da tuberculose frente à estratégia DOTS na RMSP, no período 2001 a 2008, por meio de um estudo descritivo e retrospectivo, fundamentado em análise quantitativa. Os dados dos 39 municípios da RMSP foram coletados do Sistema Nacional de Agravos de Notificação (Sinan), no período de 2001 a 2008, nas variáveis: tipo de entrada, associação com HIV, em tratamento observado ou não e encerramento. As variáveis porcentagem de cura, abandono e incidência acumulada foram pontuadas e classificadas de acordo com a variação no período. Dos 39 municípios estudados, 56,41% foram classificados como boa evolução, 38,46% como estáveis e 5,13% como evolução ruim. Alguns municípios podem ter tido sua análise prejudicada pelo fornecimento de dados incompletos ao Sinan. A aplicação das políticas de saúde no controle da tuberculose está sujeita a uma infinidade de fatores que contribuem para a evolução positiva ou negativa do controle da doença.<hr/>Facing high tuberculosis incidence rates worldwide particularly in low social developed countries, the World Health Organization (WHO) publishes in 1994 the Directed Observed Treatment Short Course (DOTS) that is considered nowadays as an effective strategy on tuberculosis control in large proportions. DOTS has been applied in Brazil in 1998 prioritizing cities with high tuberculosis incidence rates, a great deal of those in São Paulo’s Metropolitan Region (SPMR). The objective was to study the epidemiological trends of tuberculosis rates in view of DOTS strategy in SPMR from 2001 to 2008 by descriptive and retrospective survey based on quantitative analysis. Data from 39 cities of the SPMR have been collected from National System of Notifiable Diseases (NSND) from 2001 to 2008, handling the following variables: input type, HIV association, under DOTS strategy or not and outcome. The variables as accumulated incidence, cure and abandon percentage were graded and classified according to their variation in the period. From those 39 cities studied 56,41% were classified as good evolution; 38,46% of the cities were classified as stable evolution and 5,13% classified as bad evolution. A few cities may have had an inaccurate analysis because they have presented incomplete data to NSDN. Tuberculosis control implementation policies are submitted to so many factors that contribute to positive or negative outcomes on tuberculosis control. <![CDATA[Dengue no estado de São Paulo]]> http://periodicos.ses.sp.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-42722014000200002&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Diante da alta incidência de casos de tuberculose no mundo, principalmente em países com baixo desenvolvimento social, a Organização Mundial da Saúde (OMS) lançou, em 1994, a diretriz do Tratamento Diretamente Observado de Curto Prazo (DOTS), considerada como estratégia efetiva no controle da tuberculose. Em 1998 o DOTS começou a ser implantado no Brasil, priorizando cidades com altos índices de casos da doença, muitas pertencentes à Região Metropolitana de São Paulo (RMSP). O objetivo deste trabalho foi estudar o comportamento epidemiológico da tuberculose frente à estratégia DOTS na RMSP, no período 2001 a 2008, por meio de um estudo descritivo e retrospectivo, fundamentado em análise quantitativa. Os dados dos 39 municípios da RMSP foram coletados do Sistema Nacional de Agravos de Notificação (Sinan), no período de 2001 a 2008, nas variáveis: tipo de entrada, associação com HIV, em tratamento observado ou não e encerramento. As variáveis porcentagem de cura, abandono e incidência acumulada foram pontuadas e classificadas de acordo com a variação no período. Dos 39 municípios estudados, 56,41% foram classificados como boa evolução, 38,46% como estáveis e 5,13% como evolução ruim. Alguns municípios podem ter tido sua análise prejudicada pelo fornecimento de dados incompletos ao Sinan. A aplicação das políticas de saúde no controle da tuberculose está sujeita a uma infinidade de fatores que contribuem para a evolução positiva ou negativa do controle da doença.<hr/>Facing high tuberculosis incidence rates worldwide particularly in low social developed countries, the World Health Organization (WHO) publishes in 1994 the Directed Observed Treatment Short Course (DOTS) that is considered nowadays as an effective strategy on tuberculosis control in large proportions. DOTS has been applied in Brazil in 1998 prioritizing cities with high tuberculosis incidence rates, a great deal of those in São Paulo’s Metropolitan Region (SPMR). The objective was to study the epidemiological trends of tuberculosis rates in view of DOTS strategy in SPMR from 2001 to 2008 by descriptive and retrospective survey based on quantitative analysis. Data from 39 cities of the SPMR have been collected from National System of Notifiable Diseases (NSND) from 2001 to 2008, handling the following variables: input type, HIV association, under DOTS strategy or not and outcome. The variables as accumulated incidence, cure and abandon percentage were graded and classified according to their variation in the period. From those 39 cities studied 56,41% were classified as good evolution; 38,46% of the cities were classified as stable evolution and 5,13% classified as bad evolution. A few cities may have had an inaccurate analysis because they have presented incomplete data to NSDN. Tuberculosis control implementation policies are submitted to so many factors that contribute to positive or negative outcomes on tuberculosis control. <![CDATA[4ª Conferência Estadual de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora]]> http://periodicos.ses.sp.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-42722014000200003&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Diante da alta incidência de casos de tuberculose no mundo, principalmente em países com baixo desenvolvimento social, a Organização Mundial da Saúde (OMS) lançou, em 1994, a diretriz do Tratamento Diretamente Observado de Curto Prazo (DOTS), considerada como estratégia efetiva no controle da tuberculose. Em 1998 o DOTS começou a ser implantado no Brasil, priorizando cidades com altos índices de casos da doença, muitas pertencentes à Região Metropolitana de São Paulo (RMSP). O objetivo deste trabalho foi estudar o comportamento epidemiológico da tuberculose frente à estratégia DOTS na RMSP, no período 2001 a 2008, por meio de um estudo descritivo e retrospectivo, fundamentado em análise quantitativa. Os dados dos 39 municípios da RMSP foram coletados do Sistema Nacional de Agravos de Notificação (Sinan), no período de 2001 a 2008, nas variáveis: tipo de entrada, associação com HIV, em tratamento observado ou não e encerramento. As variáveis porcentagem de cura, abandono e incidência acumulada foram pontuadas e classificadas de acordo com a variação no período. Dos 39 municípios estudados, 56,41% foram classificados como boa evolução, 38,46% como estáveis e 5,13% como evolução ruim. Alguns municípios podem ter tido sua análise prejudicada pelo fornecimento de dados incompletos ao Sinan. A aplicação das políticas de saúde no controle da tuberculose está sujeita a uma infinidade de fatores que contribuem para a evolução positiva ou negativa do controle da doença.<hr/>Facing high tuberculosis incidence rates worldwide particularly in low social developed countries, the World Health Organization (WHO) publishes in 1994 the Directed Observed Treatment Short Course (DOTS) that is considered nowadays as an effective strategy on tuberculosis control in large proportions. DOTS has been applied in Brazil in 1998 prioritizing cities with high tuberculosis incidence rates, a great deal of those in São Paulo’s Metropolitan Region (SPMR). The objective was to study the epidemiological trends of tuberculosis rates in view of DOTS strategy in SPMR from 2001 to 2008 by descriptive and retrospective survey based on quantitative analysis. Data from 39 cities of the SPMR have been collected from National System of Notifiable Diseases (NSND) from 2001 to 2008, handling the following variables: input type, HIV association, under DOTS strategy or not and outcome. The variables as accumulated incidence, cure and abandon percentage were graded and classified according to their variation in the period. From those 39 cities studied 56,41% were classified as good evolution; 38,46% of the cities were classified as stable evolution and 5,13% classified as bad evolution. A few cities may have had an inaccurate analysis because they have presented incomplete data to NSDN. Tuberculosis control implementation policies are submitted to so many factors that contribute to positive or negative outcomes on tuberculosis control. <![CDATA[<b>Genotipagem de cepas polimórficas de <i>Toxoplasma gondii</i> provenientes de pacientes com toxoplasmose</b>]]> http://periodicos.ses.sp.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-42722014000200004&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Diante da alta incidência de casos de tuberculose no mundo, principalmente em países com baixo desenvolvimento social, a Organização Mundial da Saúde (OMS) lançou, em 1994, a diretriz do Tratamento Diretamente Observado de Curto Prazo (DOTS), considerada como estratégia efetiva no controle da tuberculose. Em 1998 o DOTS começou a ser implantado no Brasil, priorizando cidades com altos índices de casos da doença, muitas pertencentes à Região Metropolitana de São Paulo (RMSP). O objetivo deste trabalho foi estudar o comportamento epidemiológico da tuberculose frente à estratégia DOTS na RMSP, no período 2001 a 2008, por meio de um estudo descritivo e retrospectivo, fundamentado em análise quantitativa. Os dados dos 39 municípios da RMSP foram coletados do Sistema Nacional de Agravos de Notificação (Sinan), no período de 2001 a 2008, nas variáveis: tipo de entrada, associação com HIV, em tratamento observado ou não e encerramento. As variáveis porcentagem de cura, abandono e incidência acumulada foram pontuadas e classificadas de acordo com a variação no período. Dos 39 municípios estudados, 56,41% foram classificados como boa evolução, 38,46% como estáveis e 5,13% como evolução ruim. Alguns municípios podem ter tido sua análise prejudicada pelo fornecimento de dados incompletos ao Sinan. A aplicação das políticas de saúde no controle da tuberculose está sujeita a uma infinidade de fatores que contribuem para a evolução positiva ou negativa do controle da doença.<hr/>Facing high tuberculosis incidence rates worldwide particularly in low social developed countries, the World Health Organization (WHO) publishes in 1994 the Directed Observed Treatment Short Course (DOTS) that is considered nowadays as an effective strategy on tuberculosis control in large proportions. DOTS has been applied in Brazil in 1998 prioritizing cities with high tuberculosis incidence rates, a great deal of those in São Paulo’s Metropolitan Region (SPMR). The objective was to study the epidemiological trends of tuberculosis rates in view of DOTS strategy in SPMR from 2001 to 2008 by descriptive and retrospective survey based on quantitative analysis. Data from 39 cities of the SPMR have been collected from National System of Notifiable Diseases (NSND) from 2001 to 2008, handling the following variables: input type, HIV association, under DOTS strategy or not and outcome. The variables as accumulated incidence, cure and abandon percentage were graded and classified according to their variation in the period. From those 39 cities studied 56,41% were classified as good evolution; 38,46% of the cities were classified as stable evolution and 5,13% classified as bad evolution. A few cities may have had an inaccurate analysis because they have presented incomplete data to NSDN. Tuberculosis control implementation policies are submitted to so many factors that contribute to positive or negative outcomes on tuberculosis control.